Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LimãoDoceLimão

LimãoDoceLimão

Eh!Pá...Estou aqui que nem me aguento....

13
Dez19

Por que razão, a razão nem sempre ajuda, por que será que quanto mais penso menos consigo ver, por que razão só me apetece sair a correr, sair daqui e desaparecer de uma vez por todas?

Por que razão estou tão cansada de pensar, de desculpar, de tentar perceber, de ver o que não consigo?

Por que razão ainda tenho esperança, ainda acredito que as coisas podem ser diferentes, que as pessoas mudam, que os hábitos se alteram, que as crianças crescem, e que os adultos envelhecem?

Por que razão eu estou a deixar de acreditar, por que estou eu tão cansada, por que têm os dias de ser a mil, ter tantos altos e baixos?

Por que razão tenho uma dor imensa no peito, e quero chorar... mas não posso, e quero gritar, mas não posso, quero sair daqui, mas não posso. 

Por que razão escrevo?

Porque quero e preciso respirar, mas só posso gritar neste silêncio!  

Natal, onde estás?

12
Dez19

 

email-marketing-natal-featured.jpg

O Natal é daquelas épocas que adorava, porque adorava o espírito que se vivia, da união, da família, do dar, do receber e do partilhar. 

Mas, o Natal já não é o que era ... pelo menos o meu!!

Não há espírito, há montras!

Não há união, há separação!

Muitas vezes, não há família, ou porque alguém partiu, ou porque está longe, ou porque....a vida não o permite, ou porque há outras opções muito mais interessantes, ou apenas porque não se liga ao Natal.

No Natal há o dar e o receber,  mas já não há o partilhar.

Damos porque nos dão, porque faz parte, é tradição, pois pode parecer mal não dar e,  muitas vezes,  damos sem o querer dar! 

Coisas sem sentido. Fazemo-lo sem perceber, ou não!

O meu Natal, o de agora,  é muito mais pobre, e é muito mais triste!

Eu acho, voçes não? 

 

Educação, ou falta dela!

04
Dez19

 

professora_1517_1_20190228112321.jpg

 

Infelizmente, não gosto do que vou dizer, mas atenção... que gosto muito do que faço.

A confusão de papeis que a própria sociedade gerou, o peso da responsabilidade que nos colocaram, a descartez a que se cingiram, a falta de cumprimento a que se propuseram, faz a escola que temos, que somos e que não queremos.

Que escola é esta que está mais preocupada em transitar meninos do que a resolver as falhas no ensino, que escola é esta com professores sem paciência, e cansados de serem mal tratados?

Que pais são estes que se desresponsabilizam da educação dos seus filhos?

São pais que desresponsabilizam os filhos, que desautorizam a figura do professor, porque o menino coitadinho até não fez nada de mal, só gritou e desrespeitou a professora, e a professora até tem práticas pedagógicas que afetam a autoestima da criança e lhe cria frustrações!!

Ah pois é!! É isto e muito mais, é um sem fim de incoerências, de falta de respeito pela profissão, pela educação, pela escola. 

Não conheço ninguém que queira seguir esta profissão, outrora tão respeitada! Hoje ser professor, é ser maltratado ou desrespeitado e esta não é de todo,  uma boa imagem perante a sociedade!

Triste, não é? 

Ser professora é uma paixão e o que faço faz-me feliz, às vezes!

Não vou desistir nunca!

Nem mesmo, com tanto bota para baixo, eu me vergo!

A minha missão vem sempre em primeiro!